sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

ESTE BLOG VAI SER DESTIVADO, NOVO ENDEREÇO ABAIXO

OLÁ, INFORMO QUE MUDEI O MEU BLOG PARA A HOME PAGE WWW.SCIENCEHEALTH.COM.BR, VOCE ACESSA SE CADASTRANDO E CLICANDO NO ÍCONE BLOG, NO CANTO INFERIOR DIREITO DA PÁGINA. COLOQUEI DOIS POSTS HOJE. ESTE BLOG SERÁ DESATIVADO E NÃO FAREI MAIS POSTAGENS AQUI. ABRAÇOS A TODOS E OBRIGADO POR ACOMPANHAREM O MEU BLOG.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Leucotrienos

Esta semana foi publicado um artigo sobre uso de montelukast, um antagonista de receptor de leucotrieno em dermatite atópica. Bem, o produto originalmente é usado em asma, onde o principal contrator do bronquio são os leucotrienos da série 4. Bem, partindo da premissa da atividade farmacológica, outros produtos podem ter efeito legal nesta linha de ação. A Boswellia seria um ótimo produto com atividade sinérgica, mas eu acho que o Petasites hybridus seria melhor ainda. Inibição da lipoxigenase é uma área muito interessante, daí podemos imaginar mecanismos sinérgicos de ação. Por exemplo, a Boswellia somado ao montelukasst. Ou o ácido 5-aminosalicilico, somado ao montelukast ou até mesmo ao Petasites. Nesta dança toda, o GLA (ácido gama-linolenico) seria sinérgico ao efeito do EPA (eicosapentaenóico) que seria também sinérgico. Sem contar os outros produtos que podem interferir, a farmacologia é um circulo que vai e volta, a bioquimica também.

terça-feira, 26 de janeiro de 2010

O blog vai mudar.

Olá pessoal, agradeço sua visita ao blog e espero que o mesmo esteja sendo útil para vocês. Informo que o blog vai mudar em breve para a página www.sciencehealth.com.br, onde postarei o blog e também algumas aulas curtas e aulas que proferir em congressos.

domingo, 24 de janeiro de 2010

Memantina e glutamato

Ontem ministrei curso para pós-graduação de ortomolecular no Rio de Janeiro, falei sobre a abordagem ortomolecular em algumas desordens endócrinas, particularmente obesidade, resistencia a insulina e diabetes. Envolve então síndrome metabólica, esteatose hepática, disfunção endotelial. Abordei algo de tiroide. Bem, nas perguntas que foram aparecendo eu comentei sobre minha opinião sobre a memantina, acho que a memantina é a primeira droga de muitas que virão que tem a capacidade de modular o sistema glutamatérgico, particularmente receptores NMDA que são responsáveis pelo neuroexcitação. A neurotransmissão glutamatérgica é pouco conhecida, na verdade, todo o cérebro é um enigma, mas a neurotransmissão glutamatérgica envolve influxo de cálcio, excitação, ira, agressão e competitividade, assim como seu excesso envolve apoptose de neurônios. O sistema está envolvido em alguns tipos de enxaqueca, agressividade, mania, comportamento marginal alterado e esquizofrenia. Pode estar envolvido em agressividade em autistas. Há uma gama muito grande de aplicações, brinquei que eu gostaria de ser o detentor da patente da molécula, porque eu vejo esta como uma molécula para se descobrir muita coisa, muitas ações farmacológicas, muitas atividades terapêuticas ainda serão oriundas da memantina, sem contar o fato de que novas moléculas aparecerão, como diferentes niveis de atividade. Em suma, é um fármaco que foi bem vindo e que será ainda muito estudado. A memantina pode ser potencializada por magnésio, glicina, omega-3 (DHA), fármacos como bloqueadores de canal de cálcio ou abridores de canal de cloreto, e o estimulo do metabolismo de um carbono, daí a presença de ácido fólico, vitamina B12 e metionina são essenciais. Deriva uma possível aplicação para a s-adenosilmetionina, mas ainda são descobertas futuras.

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Aula via internet dia 10 de fevereiro.

Convido-os para assistir aula via internet utilizando o sistema hot conference, dia 10 de fevereiro iniciando as 20h e terminando as 22h. O tema será dieta, suplementos e medicamentos, sinergia. Inscrições com o Acácio no e-mail contato@atmancapacitacao.com.br

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Aula via internet dia 20 (quarta feira proxima)

Quarta feira próxima será ministrada aula via internet, porém voltada para farmaceuticos. Caso queiram assistir, entrar em contato com:
contato@atmancapacitacao.com.br

segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

MSG e cefaléia.

Hoje foi publicado um artigo na revista "Cephalalgia" onde foi administrada dose de 75mg a 150mg/kg de glutamato monossódico e foram avaliados vários parametros clínicos e laboratoriais e os pesquisadores concluiram que o suplemento aumentava cefaléia e sensibilidade muscular na região do crâniofacial. Bem, imaginam os pesquisadores que este efeito é causado pela transmissão glutamatérgica, receptores NMDA que em animais tem demonstrado induzir este efeito. Segundo pesquisa, o glutamato ativa o receptor de gustação do sabor umami, um quinto sabor que o ser humano sente e descoberto por pesquisador japonês. O nível aumentado de glutamato no SNC pode levar a neurotransmissão excitatória e em algumas doenças degenerativas cronicas, induzir a apoptose de células via caspase nove. Fala-se muito sobre a toxicidade do glutamato e do NMDA, porém fala-se pouco na bioquimica do mesmo. 70% do glutamato no nosso corpo é produzido pela transaminação do alfa-cetoglutarato, ou seja, produção endógena. Produção intermediária que levará a produção de glutamina, prolina, citrulina e arginina, aminoácidos importantes para o metabolismo e anabolismo celular. Então do ponto de vista fisiológico nós somos talhados para ingerir glutamato, porém devemos controlar a quantidade. Difícil não? A fisiologia é sábia, a bioquímica também. Imaginem vocês que o sistema endógeno é perfeito e nós alteramos o seu caminho. A partir do alfa-cetoglutarato eu faço o glutamato utilizando os BCAAs. Daí a partir do glutamato eu faço GABA, glutamina ou eu uso como glutamato como neurotransmissor ou na síntese proteica. Dados indicam que a grande fonte de arginina pro nosso corpo é o glutamato, glutamato que também é usado diretamente como fonte de energia em alguns processos, além disso estes produtos fazem a prolina e poliaminas, mecanismos intrincados e todos muito importantes no nosso dia a dia. Mas quando vocês optaram pelo estudo ligado a ciencias biológicas, ninguém avisou que seria fácil né?

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Aula demonstração

Olá, postei uma demonstração do curso atualização 2009 no endereço abaixo. É apenas uma parte da aula porém acredito que esta pequena parte poderá ser útil para vocês em termos de acréscimo de informação. O endereço é http://www.mediafire.com/?onqmwkjmtzn

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Flavonóides e Cérebro

Esta semana foi publicado um artigo avaliando efeito de blueberry em demencia em pacientes idosos. O efeito foi leve mas foi estatisticamente observado. Há vários tipos de demência, vamos ficar em discutir algumas como a demência isquêmica por exemplo. Se um paciente idoso tem demência isquêmica, o que não é raro, a dilatação das artérias com consequente aumento de fluxo sanguíneo vai levar a uma melhora, talvez lenta, mas vai levar. Porém se analisarmos que a perfusão cerebral aumenta com o suplemento de flavonóides/polifenóis, esta perfusão temporariamente pode induzir ao estresse oxidativo por reperfusão pós isquemia, daí devemos avaliar a abordagem correta. flavonóides/polifenóis em geral aumentam a produção de óxido nitrico, via indução da óxido nitrico sintetase endotelial, este estímulo levaria a uma dilatação da artéria e consequentemente melhora do fluxo sanguíneo. Toda dilatação dependente de óxido nitrico pressupõe controle da tensão oxidativa, geralmente o radical livre superóxido, cuja produção está aumentada no idoso devido a atividade maior da nadph oxidase e a desacoplamento da eNOS, neutraliza o óxido nitrico gerado gerando peroxinitrito. A reperfusão rápida pode levar a síndrome de isquemia e reperfusão e daí gerar estresse oxidativo, mesmo temporário via ativação da xantino oxidase. Alguns flavonóides inibem a xantino oxidase. Acredito que a demencia isquemica deve ser abordada de forma cautelosa com vasodilatadores, flavonoides serão muito úteis, mas dependem de outros fatores para funcionarem a contento. Um fator interessante é o próprio magnésio, que melhora a produçaõ de ATP no SNC e pode agir de forma benéfica melhorando o resultado da reperfusão. Bem, o fato é que ultimamente vem se publicando muito sobre polifenóis e sistema nervoso central. O último artigo foi sobre demencia, o penúltimo sobre depressão. Como flavonoídes podem influenciar a depressão? devido a perfusão e a mudança do perfil inflamatório e a sua interferencia no metabolismo de neuroesteróides. Muito ainda será publicado e esclarecido ainda este ano.

Health.com - Health and Medical Information