sábado, 27 de dezembro de 2008

Hormese

Hormese, segundo eu entendi é um processo adaptativo do organismo, que leva a benefícios outros associados, não apenas aquele mirado na adaptação. Vamos exemplificar. Por exemplo, o exercício aeróbico. Quando iniciamos atividade aeróbica, aumentamos a nossa capaciade física, capacidade pulmonar e cardíaca. Ora, isso tudo é feito voltado para a melhora da performance, é uma adaptação do nosso organismo. Bem, porém com isto vem alguns outros benefícios, por exemplo, melhora da perfusão como um todo leva a melhora da perfusão em todos os vasos do corpo, melhorando por exemplo fogachos e sudorese noturna em mulheres pós-menopausa. O mesmo serve para exercício de resistencia, melhora a densidade mineral óssea e equilíbrio, além de melhorar a função osteoarticular. Onde tudo isso é importante? Devemos analisar o resultado ao usar a hormese para o benefício do paciente. Por exemplo, eu acredito firmemente que o exercicio de resistencia em cima de um tendão especificamente levará o tendão a aumentar sua resistencia, o que isso pode beneficiar o individuo? aumentar a resistencia do tendão é importante também em exercício aeróbico. Por exemplo atletas que praticam exercício aeróbico podem reforçar tendões especificamente com exercício de resistencia no grupo de tendões alvos. Isso pode ser importante para melhorar a resistencia a lesões. Além disso, eu acredito também que o estrogeno é o importante na hipertrofia do tendão, bem como também na recuperação do tendão, porém não usamos estrogeno para isso. Eu usaria. Devemos usar os hormonios para melhorar os pacientes, eu sou a favor de uma TRH bem feita, nas próximas postagens eu postarei algo sobre TRH.

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Arginase, arginina

Ando lendo muito sobre envelhecimento, aliás há vários anos. Postei no orkut algo esta semana. Bem, há alguns anos me deparei com um dado interessante sobre o envelhecimento e doença cardíaca, acredito sinceramente que com o envelhecimento, independente da proteção em si, somos jogados num risco cardíaco mais elevado. O maior exemplo é o desacoplamento da NOS que começa a produzir superóxido. A produção de superóxido aliada a menor produção de óxido nitrico leva a uma queda do óxido nitrico disponivel, o superóxido reage com o óxido nítrico neutralizando o mesmo formando peroxinitrito. Some a produção diminuída, a neutralização aumentada. Some que o peroxinitrito reage nitrificando proteínas no resíduo de tirosina ou fenilalanina, daí temos proteínas anomalas. Some tudo isso ao fato de que a diminuição do óxido nitrico leva a aumento na agregação plaquetária, migração de macrófagos. Temos então uma trilha pavimentada para aterosclerose. Com o envelhecimento a arginase aumenta sua atividade, ou seja, o caminho de produção de óxido nitrico é diminuido e o caminho para o ciclo ornitina/citrulina/arginina é aumentado, aumentando o caminho para produção de prolina e pirrolidone-carboxilato. Bem, o que dá nisso tudo? formação de tecido fibrotico, ou seja, deposição de proteína colágeno nas artérias. Some isso a tensão oxidativa aumentada, a glicemia do idoso, a geração de peroxinitrito. Aumento nas pontes de ligações cruzadas de proteínas, proteínas nitrificadas, proteínas glicadas, crosslinks aumentados, fibrose, diminuição da elasticidade das artérias. Some isso a queda da produção de enzimas antioxidantes que ocorre com o envelhecimento, a tensão de atrito e a tensão de expansão que sofrem as artérias que gera tensão oxidativa que gera radicais livres. Some tudo. Tensão oxidativa aumentada no idoso, diminuição das enzimas antioxidantes, diminuição de produção de óxido nitrico, aumento na produção de proteínas, aumento na glicação destas proteinas, aumento na nitrificação destas proteínas.... Aterosclerose.

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

Oxidação

Ainda comentando sobre o curso do dia 13. O Mário Hirata mostrou um dado interessantíssimo, com o envelhecimento a expressão das enzimas antioxidantes caem todas. Vão caindo com o envelhecimento e o que resulta deste fato é uma defesa antioxidante menor, sugerindo que o idoso necessitaria de consumir antioxidantes em maior quantidade que o individuo jovem. Eu acredito firmemente que o processo de envelhecimento é antes de tudo uma adaptação, no processo evolutivo, o envelhecimento deletério foi excluido de forma gradativa e foi selecionado uma espécie que teria um envelhecimento compatível com a sobrevivencia da espécie, isso é lógico que para milhares de anos atrás. Hoje não é bem assim, mas eu sempre cito em minhas aulas o descoplamento de NOS que começa a fazer radical livre superóxido, daí este desacomplamento levaria a aumento de produção de superóxido e consequentemente num aumento na defesa contra infecções bacterianas, e ao mesmo tempo, numa cinética interessante, as artérias periféricas seriam mais afetadas do que as cerebrais, equilibrando uma melhor perfusão ao sistema nervoso central, preservando melhor as funções cognitivas. Há também que se considerar o aumento da atividade da arginase desequilibrando o metabolismo ainda mais, só que fazendo prolina e levando a deposição de fibras nas artérias, ou seja, aumentando a camada de fibras que seriam responsáveis também pela rigidez das artérias, mas também pela maior resistencia, levando ao mesmo tempo um aumento da pressão arterial, mas uma diminuição no risco de rompimento das artérias por este aumento da pressão, protegendo contra acidentes vasculares hemorrágicos. Tudo muito lógico. Isso é o envelhecimento, pelo menos no meu conceito.

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Dia 13 de dezembro

Dia 13 de dezembro houve o evento para arrecadação de cestas para população carente. Iniciativa de um amigo. Arrecadamos 80 cestas, mas ainda estamos recebendo doaçoes. As aulas foram todas excelentes. Particularmente vou comentar uma aqui, a do meu amigo Yamada. Ele é agrônomo e é especialista em nutrição de plantas. Eu converso muito com o Yamada sobre nutrição humana, ele adora o tema. Bem, a aula dele centrou em alguns dados sobre a agricultura moderna. Na agricultura moderna de grandes áreas, geralmente é usado o plantio direto, que usa herbicidas, os glifosados, que quelam niquel na planta e diminui a disponibilidade deste para o metabolismo da planta. A grosso modo, os macronutrientes não são muito afetados, mas a síntese de derivados metabólicos da cadeia do ácido chiquimico são alterados, ou seja, fenilalanina, triptofano, tirosina e fitoalexinas. Imagine que a proteina de uma planta cultivada desta forma pode ter menos destes aminoacidos formadores de neurotransmissores. Imagine também que fitoalexinas são polifenóis, flavonóides, isoflavonas, flavonols e estilbenos (resverarol). Ou seja, a planta cultivada desta forma produz menos antioxidantes. E não é só isso, produzirá menos terpenóis e produtos derivados secundários do nitrogenio. Terpenóis são os óleos essenciais, e produtos derivados secundários do nitrogenio podem ser os alcalóides ou mesmo os glucosinolatos e isotiocianatos, ou o indol 3 carbinol. Todos estes elementos essenciais a saúde humana, não ao crescimento, mas a manutenção da saúde, veja o indol 3 carbinol, que é um quimiopreventivo de cancer. Ou glucosinolatos que estimulan a produção de glutationa no fígado, sendo um antioxidante indireto. Ou flavonóides que tem atividade antioxidante, melhoram produção de óxido nitrico. Todos elementos importantíssimos a nossa saúde. Além disso o Yamada mostrou também dados que contradizem os nutricionistas clássicos, ou seja, pelo menos no tocante a minerais e oligoelementos, não encontraremos tudo nas plantas. Vamos pegar o zinco. Trigo plantado em solo rico em zinco terá mais zinco que trigo plantado em solo pobre em zinco. Isso é verdadeiro para outros minerais, porém há coisas piores. O selênio por exemplo não é essencial diretamente para a planta, ele é essencial apenas na rizosfera, ou seja, na área que circunda a raiz, para assimilação de nitrogenio, mas a planta não precisa ter selenio na sua estrutura, pois não há papel essencial para o mesmo. Ele só estará presente na planta se o solo for rico em selenio e ele for assimilado no lugar do enxofre, é mais ou menos como se fosse uma coincidencia a planta ter selenio, precisa coincidir do solo ser rico em selenio e da planta ter acúmulo de enxofre na sua estrutura. Por isso e outros eu sempre falo que não dá para ter uma dieta ótima hoje em dia.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Sinergia?

Hoje a farmacologia procura por medicações que possam trabalhar em sinergia. Por exemplo, ontem li um artigo sobre um inibidor da HMG-CoA redutase, como sinvastatina por exemplo e sua interação sinérgica com um antagonista de receptor de angiotensina II. A hipercolesterolemia aumenta a pressão arterial por mecanismos dependentes de tensão oxidativa e pode levar a doença cardíaca. A hipertensão arterial por sua vez piora o quadro. Ambos teriam efeito sinérgico no paciente que resultaria no final das contas em prevenção de doença cardíaca, traduzindo em menos eventos. Eu acredito que devemos avaliar da mesma forma os nutrientes, não apenas em sinergia, mas também em compensação. Vejam o exemplo da cisteína, ou seu derivado n-acetilcisteína, que são usados para aumentar a síntese endogena de glutationa. Se eu der doses altas de n-acetilcisteína o paciente fará glutationa. Bem, pensando neste termos, o paciente pode fazer a partir da císteina a glutationa mas também a taurina. Por outro lado, a metionina pode dar origem a cisteína no ciclo de transmetilação e conversão de aminoácidos sulfurados. Daí metionina, n-acetilcisteína e taurina parecem ser aminoácidos que, se administrados serão fontes do mesmo caminho, porém estudos indicam que, se eu der taurina o individuo aumenta a glutationa. Se eu der n-acetilcisteína o individuo aumenta glutationa. Se eu der metionina, ainda não tenho dados corretos, mas se eu der metionina, a cisteína não volta para fechar o ciclo sendo metilada pela metilenotetraidrofolato redutase, daí a cisteína não será fonte de metionina. Como metionina e taurina são mais baratos que a n-acetilcisteína, talvez dar os tres poderia ser benéfico a saude e ao bolso do paciente. Imagine que há também estudos mostrando que a glutamina é fonte de arginina, e vice-versa. Devemos analisar a sinergia bioquimica antes de suplementar adequadamente um paciente, ou mesmo manipular sua dieta. Não é de hoje que sabemos que dieta restritiva de sal é sinergica com suplemento de potássio e que suplemento de magnésio é sinérgico a suplemento de potássio, todos no tratamento de hipertensão arterial. Estes funcionarão ainda melhor em mulheres, hipertensas, idosas.

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Metais tóxicos

Amanhã farei uma aula de metais tóxicos em curso de pós-graduação anti-envelhecimento. Podem-se perguntar porque. Mas falarei de minerais, oligoelementos e metais tóxicos. Devemos sempre analisar o valor limite dos elementos no corpo. Vejam só as interrelações interessantes. Quando o individuo tem patologias especificas, por exemplo desordem de hiperatividade com déficit de atenção, o chumbo, mesmo em quantidades pequenas pode causar problemas no desempenho cognitivo. Pensem isso num paciente idoso ou com doença de Alzheimer, acredito ser muito parecido. O mesmo pode funcionar num paciente com depressão ou tendencia a depressão, peguemos um polimorfismo para triptofano beta hidroxilase. A deficiencia de elementos hidroxilantes ou mesmo cromo ou lítio pode piorar os sintomas, some isso a deficiencia de triptofano na dieta ou ácido fólico ou piridoxina, some isso a uma inflamação ou aumento de citocinas, inibindo a indoleamina dioxigenase, dana-se tudo. Bem, vamos num raciocínio mais simplista, um déficit de selenio associado a aumento de mercúrio, sabemos que o selenio detoxifica naturalmente o mercurio, um déficit de selenio pode ser associado a tensão oxidativa elevada, aumento de mercúrio, mesmo em concentrações baixas, dentro dos limites pode resultar em lesão bioquimica. Vamos além se este individuo tiver deficiencia nutricional, com baixa de ácido fólico e/ou baixa ingestão de metionina. O processo pode ser agravado por menor produção de glutationa. Então posso pressupor que quem tem homocisteína elevada no sangue, soma a baixa de selenio, há uma toxicidade sinérgica que acabará no final das contas aumentando a toxicidade de mercúrio. Há outros exemplos, muitos. Peguem o excesso de cálcio em idosos, que pode causar toxicidade neuronal em pacientes com mal de Alzheimer. Se este paciente tiver homocisteína alta, ele terá tendencia a demencia, piora da demencia de forma adicional, se estiver usando alta quantidade de cálcio, a demencia pode ser piorada mais ainda. Meio sinérgico, lindo, maravilhoso.

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Ornitina, citrulina e arginina

A cada dia que leio, mais dou importancia ao uso de citrulina e ornitina junto com a arginina. Hoje li um artigo legal sobre a aplicação de ornitina em fadiga muscular. Os dados mostram uma melhora no exercício máximo de ciclismo em relação a periodo sem uso de ornitina. Outro trabalho anterior correlacionou o uso de arginina, mas de forma interessante, uma associação direta entre o nivel plasmático de citrulina e a fadiga muscular, quanto mais alto o nivel de citrulina, menor a fadiga. O uso dos tres associados pode ser um bom ponto para se trabalhar fadiga, o trabalho de ornitina cita que a ornitina libera hormonio de crescimento e este pode ser parte do seu mecanismo de ação, o outro estaria associado ao ciclo da uréia e detoxificação da amonia. Então se for assim, citrulina e ornitina serão aminoácidos para o futuro controle da fadiga. Hoje também li que o suplemento de creatina inibiria o metabolismo de inositol no músculo, isso no meu raciocínio diminuiria os canais IP3 que controlam a saída de cálcio do retículo sarcoplasmático para contração muscular, lembrem-se que actina e miosina se ligam com a presença de cálcio e a sua ausencia tem a ver com fadiga muscular, mas não é o tema de hoje. Imaginem que o uso de creatina diminui o nivel de inositol fosfato e canais IP3. Pode em outras palavras, retardar a contração muscular e até mesmo a velocidade de condução nervosa, por isso acho que se se administrar creatina, o inositol pode ser importantíssimo. Outro fato, vou acompanhar os atletas do Jaime Neto, ou seja, os que correm até 400 metros, daí eu estar revirando tudo sobre este tema.

Health.com - Health and Medical Information